“É preciso considerar que toda curadoria é um exercício de reunir diferentes falas”, diz o curador convidado Alexandre Sequeira

Share This:

O curador convidado Alexandre Sequeira. Foto: Irene Almeida

Na mostra “Desejos Pessoais, pulsões coletivas – Quando as imagens tomam posição”, em exibição no Museu Casa das Onze Janelas como parte do 12º Diário Contemporâneo de Fotografia (DCF), as obras celebram o direito às diferenças e demarcam: é preciso agir frente às ameaças que se colocam aos direitos civis. O curador convidado Alexandre Sequeira destaca que se debruçou nos mais de 10 anos da iniciativa, para analisar a Coleção instituída em 2016 e que compõe um precioso acervo da produção artística nacional, e buscar novos nomes para dialogar com as imagens.

Nesta entrevista, ele conta como foi inspirado pelo filósofo francês Georges Didi-Huberman em sua publicação chamada “Quando as imagens tomam posição”, em que autor relata a experiência do dramaturgo alemão Bertold Brecht, no período se exílio entre 1933-1955, no contexto da Segunda Guerra Mundial – e como isso influenciou a mostra desta edição do DCF.

 

O tema das mostras deste ano tem claramente uma posição. É sobre gênero, raça, classe… temas oriundos das discussões sobre luta por direitos. Por que este ano se evidencia de forma tão contundente estas abordagens?

É preciso considerar que toda curadoria ela é um exercício, né? É um exercício de reunir diferentes falas, diferentes enunciados de natureza poética em torno de um eixo conceitual, em torno de uma ideia central. E a ideia central deste ano é olhar para a coleção do Diário Contemporâneo de Fotografia, construída ao longo dos 12 anos e quando a gente olha para uma obra, a gente tenta compreender a potência dessa obra de se ressignificar ao longo da história. E, claro, quando eu olhei para a coleção, identifiquei diversas possibilidades de discussão e considerei, por tudo que a gente está vivendo, inclusive de ameaças de garantias constitucionais, esse momento tão triste, que seria muito importante a gente ter uma coleção à serviço de algumas pautas que eu considero urgentes.

E como se deu essa seleção?

Então, foi nítido perceber questões ambientais, questões ligadas a etnias ou raças, questões sociais. Selecionamos alguns trabalhos da coleção que se colocassem como indutores dessas questões para a partir deles reunir convidados, levantar um número de artistas convidados que pudessem se aproximar dessas obras da coleção, criar zonas de interseção, mas nem sempre apaziguantes, ora como zonas de atrito, ora de convergência, mostrando também esse papel da arte que é um papel de, digamos, de um espaço de construção de ideia a partir de diferentes pontos de vista, do reconhecimento como o território do contraditório, então diferentes opiniões se colocando, se reunindo em torno de um grupo de imagens.

São mais de 10 anos do DCF e em 2016 foi instituída a Coleção. Como foi se debruçar nesse acervo para se ter esse fio condutor para dialogar com os convidados?

O desafio de olhar para uma coleção desse porte claro que é enorme, mas acho que tomei como base o nosso momento: como pensar essa coleção hoje? Nos dias de hoje, com as questões que se colocam, como compreender a arte como esse instrumento que constrói sentidos, que convoca as pessoas a refletirem sobre determinadas questões? Tomei como referência uma publicação de Didi Huberman [filósofo e historiador da arte francês] que o título é “Quando as imagens tomam posição”. E, nessa publicação, Huberman se debruça no trabalho desenvolvido por Bertolt Brecht [dramaturgo e poeta alemão] entre os anos 1932 até 1955, um pouco o período que antecede à ascensão do nazismo, e Bertolt Brecht enquanto dramaturgo, com o olhar bastante crítico em relação às questões sociais e judeu, se recua e para um pouco a sua produção no campo do teatro e pega uns cadernos e começa a trabalhar com colagens de imagens, em que ele colhe essas imagens de diferentes procedências – da imprensa, de um livro, de um recorte artístico… e ele coloca as imagens nos álbuns dele lado a lado justamente para criarem zonas de tensão, de reflexão. E eu lembrei logo do trabalho do Brecht e das reflexões do Didi Huberman para conduzir a curadoria.

De fato, está bem delimitado na mostra da Casa das Onze Janelas, “Desejos pessoais, pulsões coletivas: quando as imagens tomam posição”.

Sim, há uma intenção de se pensar também como esse trabalho é recebido e como ele reverbera no coletivo. Por isso, a seleção dos convidados se deu a partir de eixos temáticos, para dialogar com determinados trabalhos. E saí procurando pelo Brasil todo, a partir de prospecções que eu já havia feito ao longo dos meus anos de trabalho, diferentes falas. Eu achava importante, por exemplo, ter uma fala trans, ter uma fala negra, ter uma fala indígena… que por muito tempo se colocaram como sendo referidas por outro alguém. Na exposição [na Casa das Onze Janelas]  o público também pode se colocar em relação a isso, compreendendo que toda obra, todo enunciado, é parcial, ele parte de um determinado ponto de vista, a partir de um determinado recorte… Então, do mesmo modo, quem aprecia também traz todo seu repertório, suas questões para se encontrar com aquela imagem.

Por falar em público, qual a tua expectativa para a leitura dos visitantes?

A ideia é também convidar, de certa forma, estimular a população, não só paraense, a todos os visitantes, compreenderem realmente isso como um bem simbólico que merece ser apropriado criticamente. O simples fato de uma obra encontrar com outra, ela já propõe uma nova interface e, assim, a coisa vai se desdobrando em muitas possibilidades de interpretação, estudo, de análise.

A gente percebe claramente, Alexandre, que se fala de política nesta mostra, no sentido de ter uma posição política. Como essa postura se dá na arte?

Eu acho que viver é um ato político por si só. E, às vezes, a gente tem um entendimento muito redutivo da palavra e o ato de fazer política perpassa as questões mais cotidianas, né? Mas a política se estabelece no ambiente familiar, no ambiente de trabalho, na rua, no tecido social, em todas as relações. Viver é político. E eu acho que, de certa forma, a arte enquanto mapa afetivo e simbólico de uma sociedade traz em si, ela reflete, ela ilumina determinadas linhas de força que estão postas no nosso convívio social. A arte tem um caráter de desafio, de inovação, de lançar luzes sobre o que está um pouco mais a frente. Então, nessa mostra, estão questões que não partem da ideia de que o outro mereça ser silenciado ou aniquilado, mas simplesmente de que o direito às diferenças coexistam.

 

Serviço

Mostra Desejos pessoais, pulsões coletivas – Quando as imagens tomam posição
Museu Casa das 11 Janelas – R. Siqueira Mendes, s/n – Cidade Velha
Visitação até 14/11/2021
de terça-feira a domingo, das 9h às 17h
Entrada gratuita às terças-feiras e aos domingos 1kg de alimento não perecível por 4 ingressos. Demais dias: R$ 4, com gratuidade a estudantes, professores, pessoas portadoras de deficiência e crianças até 12 anos

Mostra Pulsões – Diálogos com a coleção DCF
Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA) – Av. Gov. José Malcher, 1192 – Nazaré (entrada pela Av. Generalíssimo Deodoro)
Visitação até 28/11/2021
de terça à sexta-feira, das 9h às 17h – finais de semana e feriados, das 9h às 13h
Entrada gratuita

 

Mostra “Pulsões” é aberta no Museu da UFPA

Share This:

“Uroboro”, de Denise Gadelha, PA/SP, 2019. Vídeo 6’33 – Artista convidada

 

A intensidade passional ou a energia psíquica não dominada pela razão é o cerne da exposição “Pulsões”, eixo que compõe a programação do 12º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. A mostra abre para convidados nesta quarta-feira (6), no Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPa), e ao público na quinta-feira (7).

 Com curadoria de Mariano Klautau Filho, a mostra “Pulsões” deriva do diálogo com a exposição “Desejos pessoais, pulsões coletivas: quando as imagens tomam posição”, em cartaz na Casa das Onze Janelas, proposta por Alexandre Sequeira, curador convidado desta edição do DCF.

 No MUFPA, Klautau Filho reuniu obras de sete artistas da Coleção Diário Contemporâneo de Fotografia e de dez artistas convidados. “Com o mote trazido por Alexandre, tomo o pulsional nesta mostra para experimentar com o espectador, nas mais diversas frequências, o modo como o artista rebate à realidade circundante em sentido erótico, corpóreo, passional, afetivo mas nunca apaziguador. De preferência lúcido e capaz de não perder a sua potência imaginativa”, diz Mariano, curador geral do DCF.

 Da coleção do Prêmio, compõem o eixo “Pulsões” obras de Ana Mokarzel (PA), Coletivo Garapa (SP), Flavya Mutran (PA/RS), Hirosuke Kitamura (JP/BA), Jorane Castro (PA), Renan Teles (SP) e Tom Lisboa (PR). Dos artistas convidados, integram a mostra Denise Gadelha (PA/SP); Betania B (PA); Duda Santana (PA); Victor Galvão (RJ), Laiza Ferreira (PA/RN), Melissa Barbery (PA), Patrícia Teles (RJ), Paulo Mendel (RJ/SP) & Vi Grunvald (PA/RS), Randolpho Lamonier (MG) e Waléria Américo (CE).

Entre a cidade e o corpo

No recorte proposto por Mariano Klautau Filho, o elemento “pulsão” não distingue vida e morte, que se encontram numa mesma linha de tensão. O eixo traz, então, obras  como “Uroboro” de Denise Gadelha, um transe na ruína inventada do Bosque Rodrigues Alves, em Belém. “Essa ruína foi construída, ela é um simulacro de ruína. A obra trata da questão da origem do mundo, em uma câmera que gira, num movimento ritualístico e hipnótico. É uma metáfora das cidades feridas”, comenta o curador.

 Ainda no aspecto urbano, estão na exposição a literatura dos muros da cidade de Melissa Barbery; os retratos fantasmáticos de Flavya Mutran e a instalação sonora de Waléria Américo feita a partir de sons de tiros da violência cotidiana. A mostra traz ainda as performances de Duda Santana e Patrícia Teles; colagens de Laiza Ferreira, os retratos noturnos dos marajoaras produzidos por Betania B.

 Ganham destaque também os trabalhos de Jorane Castro, Hirosuke Kitamura e Renan Teles onde a energia sexual está muito presente. Os “Palimpsestos” de Tom Lisboa também refletem a urgência das ruas e se complementam no filme “Domingo” de Paulo Mendel e Vi Grunvald. “O filme da dupla mostra uma festa em uma comunidade LGBTQI+ de SP. São conversas, lazer, um hino à liberdade afetiva e ao mesmo tempo, uma atitude de resistência política. Um belo retrato de uma juventude brasileira”, diz Mariano.

Segundo o curador, a mostra busca abrir janelas de provocação, como um respiro e ao mesmo tempo reflexão sobre o país. “Ofereço como antídotos para todos nós, sobreviventes de um novo triste trópico que esperamos recuperar-se em breve, propõe Mariano em seu texto curatorial.

 O DCF é uma realização do jornal Diário do Pará e RBA com patrocínio da Alubar, Assembleia Legislativa do Pará (Alepa), Sebrae-PA, apoio institucional do Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult) e Sistema Integrado de Museus e Memoriais (SIMM), Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA), e colaboração da Sol Informática.  

“Quaseilhas”, de Laiza Ferreira, PA/RN, 2018-2019 – Artista convidada

Serviço

Mostra “Desejos pessoais, pulsões coletivas – Quando as imagens tomam posição”
Museu Casa das 11 Janelas – R. Siqueira Mendes, s/n – Cidade Velha
Visitação até 14/11/2021
de terça-feira a domingo, das 9h às 17h
Entrada gratuita às terças-feiras e aos domingos 1kg de alimento não perecível por 4 ingressos. Demais dias: R$ 4, com gratuidade a estudantes, professores, pessoas portadoras de deficiência e crianças até 12 anos

Mostra “Pulsões – Diálogos com a coleção DCF”
Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA) – Av. Gov. José Malcher, 1192 – Nazaré (entrada pela Av. Generalíssimo Deodoro)
Visitação até 28/11/2021
de terça à sexta-feira, das 9h às 17h – finais de semana e feriados, das 9h às 13h
Entrada gratuita

 

 

A imagem que toma posição: saiba mais sobre a mostra na Casa das Onze Janelas

Share This:

Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia (DCF) evidencia diálogos sobre temas sociais em obras do acervo e de artistas convidados 

 

Colhedoras de sempre-vivas”, imagem de 2021, do artista convidado João Ripper (RJ)

A imagem narra seu tempo: toma lado, recortada no espaço. E o que dissera antes, se vista e reinterpretada hoje? Obras de artistas da Coleção Diário Contemporâneo de Fotografia (DCF), instituída oficialmente em 2016 mas com obras incorporadas em mais de uma década, foram revisitadas para dialogarem com trabalhos de artistas convidados na mostra “Desejos pessoais, pulsões coletivas: quando as imagens tomam posição” – que inaugura a décima segunda edição este ano. A abertura ocorre nesta terça-feira (5), às 19h, de modo restrito somente para equipe e artistas participantes, no Museu Casa das Onze Janelas, a fim de se evitar aglomerações. O público poderá visitar a mostra a partir desta quarta-feira (6). 

O diálogo inédito entre parte da coleção do DCF que reúne 12 artistas e mais 20 convidados, com curadoria de Alexandre Sequeira, traz provocações sobre temas sociais que incluem o debate de raça, gênero, território, dentre outros, sobretudo do que irrompe a partir da declarada redução de direitos civis em nosso país. “Essa pluralidade de artistas potencializa muito os desdobramentos do diálogo entre as obras”, destaca Sequeira. 

Para o curador, as obras revelam interlocuções de sentimentos que perpassam o Brasil de forma muito contundente, de Norte a Sul, e por isso se evidenciam enquanto aposta de uma abordagem curatorial que contemple diferentes regiões e visões. “Há que se buscar ouvir e ser ouvido numa humanidade que hoje fala por meio de muitas vozes, em uma polifonia harmoniosamente, sem a pretensão de alcançar uma uniformidade, mas com ação recíproca de vários motivos diferentes”, explica. 

“Desejos pessoais, pulsões coletivas” traz, entre os artistas convidados, Marcela Bonfim (RO), que pesquisa a negritude na Amazônia; Yuri Juatama (CE), e seu olhar afetuoso e vibrante sobre a região onde cresceu, na periferia de Fortaleza; Ubiratan Suruí (MS/RO), artista indígena que faz uso de imagens da internet em sua militância; Beatriz Paiva (PA), jovem artista que trabalha com a questão racial e feminismo; Nilmar Lage (MG) e seu trabalho comprometido com pessoas afetadas pelas barragens e mineração; e João Ripper (RJ), um dos nomes mais importante da fotografia humanista no Brasil.

A mostra traz ainda como convidados Alex Oliveira (BA), Ana Mendes (RS/MA), David de Jesus (MG), Erick Peres (RS), Gabriela Massote (RJ), Keyla Sobral (PA), Lau Baldo (RS), Paulo D’Alessandro (SP), Ramon Reis (PA), Roberto Bassul (RJ), Rochelle Costi (RS/SP), Sara não tem nome (MG), Victor Galvão (MG/SP) e Wilka Sales (PA/MA). Da coleção constam obras de  Ana Lira (PE), Daniela Alves e Rafael Andorjan (RJ), Diego Bresani (DF), Geraldo Ramos (PA), Julia Milward (RJ), Marcílio Costa (PA), Mateus Sá (PE), Paula Sampaio (MG/PA), Péricles Mendes (PA), Randolpho Lamonier (MG) e Rodrigo José (PA).

“Em trabalhos como os de João Ripper percebemos causas sensíveis e urgentes, como o registro de comunidades no norte de Minas Gerais que vivem na colheita de flores sempre-vivas. Através dessa documentação, essas comunidades foram reconhecidas e foram premiadas pela ONU. Outro destaque é Rochelle Costi, que já esteve em duas bienais de São Paulo e outras pelo mundo todo, e mostra a vida na Amazônia e seus nativos, uma ode sobre o valor do homem amazônida, seu modo de viver, existir e se relacionar com a natureza”, diz Sequeira.

Frames do vídeo “Circunstâncias”, 2020, de Ramon Reis (PA) – Artista convidado

Diálogos

De acordo com Sequeira, se vistas separadamente como unidade estável, cada obra se apresenta como um universo singular, mas, se compreendida numa relação de diálogo com outras, revela uma estranheza capaz de multiplicar seu próprio aspecto. “É nessa perspectiva, enquanto território de encontro entre diferentes pontos de vista e da garantia do contraditório, que a mostra se oferece”, conta Sequeira, que convida o público a participar deste lúdico jogo de infinitas possibilidades. “Um campo de reflexão capaz de promover um intercâmbio entre diferentes posições e olhares. Uma redisposição que promove múltiplos encontros e novos entendimentos trazidos à tona pelo exercício combinatório”, diz o curador convidado.

Pulsões 

Movido pelo convite proposto por Alexandre Sequeira, Mariano Klautau Filho, curador geral do Diário Contemporâneo de Fotografia, assina também a curadoria da mostra “Pulsões”, que ocupa o Museu da UFPA e será aberta a convidados na quarta-feira (6) e ao público na quinta-feira (7). Ele explica que buscou se concentrar diretamente no caráter pulsional de nossas vidas e dos trabalhos selecionados. “Imagino contribuir com o eixo central da edição como uma resposta, um diálogo, um reflexo visceral ao estado de coisas que nos desafia no Brasil de 2019-2022, sob o comando nefasto e sem paralelo na história do país”, destaca Klautau.

Conceito oriundo da Psicanálise, “pulsão” trata das energias psíquicas internas do ser humano não orientadas pela consciência e que nesta edição está relacionada com os sentimentos que as obras suscitam. “Tendo a ‘pulsão’ como energia interna psíquica não controlada pela razão, faço a seleção de obras que falam de esperança e tensão em relação ao próprio corpo e à própria cidade, e até como manifestação política”, explica Mariano. Da coleção do Prêmio, compõem este eixo obras de Ana Mokarzel (PA), Coletivo Garapa (SP), Flavya Mutran (PA/RS), Hirosuke Kitamura (JP/BA), Jorane Castro (PA), Renan Teles (SP) e Tom Lisboa (PR).

Dos artistas convidados, integraram a mostra também o transe ritualístico na ruína inventada em “Uroboro”, de Denise Gadelha (PA/SP); os retratos noturnos dos marajoaras produzidos por Betania B (PA); a performance de Duda Santana (PA) com retratos que combinam elementos como concreto, folhas e terra; e Victor Galvão (RJ), que volta seu olhar para a cidade em desencanto e transformação. “Pulsões” traz ainda obras de Laiza Ferreira (PA/RN), Melissa Barbery (PA), Patrícia Teles (RJ), Paulo Mendel (RJ/SP) & Vi Grunvald (PA/RS), Randolpho Lamonier (MG) e Waléria Américo (CE).

O DCF é uma realização do jornal Diário do Pará e RBA com patrocínio da Alubar, Assembleia Legislativa do Pará (Alepa), Sebrae-PA, apoio institucional do Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult) e Sistema Integrado de Museus e Memoriais (SIMM), Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA), e colaboração da Sol Informática.  

Serviço

Mostra Desejos pessoais, pulsões coletivas – Quando as imagens tomam posição
Museu Casa das 11 Janelas – R. Siqueira Mendes, s/n – Cidade Velha
Visitação até 14/11/2021
de terça-feira a domingo, das 9h às 17h
Entrada gratuita às terças-feiras e aos domingos 1kg de alimento não perecível por 4 ingressos. Demais dias: R$ 4, com gratuidade a estudantes, professores, pessoas portadoras de deficiência e crianças até 12 anos

Mostra Pulsões – Diálogos com a coleção DCF
Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA) – Av. Gov. José Malcher, 1192 – Nazaré (entrada pela Av. Generalíssimo Deodoro)
Visitação até 28/11/2021
de terça à sexta-feira, das 9h às 17h – finais de semana e feriados, das 9h às 13h
Entrada gratuita

 

 

Edição 2021 propõe diálogo entre obras do acervo e artistas convidados

Share This:

Curadoria busca responder questionamentos para provocar reflexões acerca de urgências dos dias de hoje 

 

Foto da Série “Ruínas de Sustentação”, 2018 de Duda Santana (PA) – Artista Convidada

A arte como provocação para refletir sobre as urgências do nosso tempo. O 12º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia traz como ponto de partida o encontro entre obras do acervo da coleção do projeto e de artistas convidados para elucidar alguns questionamentos como: o que deste encontro poderá ser revelado? Que tensões surgirão? A perspectiva é que o diálogo contemple ainda um elemento fundamental: o olhar do público. A decisão por este formato, sem edital de convocatória como em edições anteriores, foi pensada por conta de ainda estarmos em período de pandemia. A logística que envolve a organizacão de uma convocatória se mostrou muito complexa em um contexto ainda restrito, de dificuldades e incertezas. 

Com isso, o projeto centra a atenção na sua coleção, a Coleção Diário Contemporâneo de Fotografia, construída ao longo de mais de uma década, composta por mais de 45 artistas de diversas regiões do Brasil, e abrigada em dois museus públicos, Casa das 11 Janelas e Museu de Arte da UFPa, o que formata a mais relevante coleção de fotografia contemporânea da região norte, e uma das poucas do país com esse recorte curatorial. “O projeto sempre olhou para a fotografia em diálogo com outros suportes, discutida num escopo amplo da arte. Isso é especial em uma sociedade como a nossa, tão visual. Então me deparei, nesta curadoria, com uma coleção que se volta às questões muito emergentes dos dias de hoje, por exemplo, a perda de certezas que nos pareciam muito fundamentais”, explica Alexandre Sequeira,curador convidado desta edição, fotógrafo premiado e professor de Artes da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Com o título “Desejos pessoais, pulsões coletivas: quando as imagens tomam posição”, a mostra faz referência aos estudos de Georges Didi-Huberman, filósofo e historiador francês, um dos principais pensadores da atualidade. Em um de seus escritos, Didi-Huberman reflete sobre a experiência vivida por Bertold Brecht em um momento extremo: quando o dramaturgo precisou interromper sua produção teatral durante a ascensão do nazismo. Perseguido, Brecht produziu cadernos de arte, compostos por imagens muito distintas. “Eram fotografias, recortes de jornal, propagandas. Brecht compunha as páginas com essas imagens, e elas começavam a ‘conversar’. Assim, quando aproximadas, confrontadano s, elas ganhavam nova significação”, ensina Sequeira.

Imagem da série “Webcasting_LiveStreaming”, 2013, de Renan Teles (SP) Coleção Diário Contemporâneo – Acervo Casa das Onze Janelas

Mostras

A exposição no Museu Casa das 11 Janelas, que será aberta no dia 5 de outubro, apresentará obras de 12 artistas da Coleção DCF e 14 convidados. “Esse encontro propõe zonas de reflexão, que nem sempre são de apaziguamento, mas de atrito, fricção”, diz Sequeira. “Após definir que obras do acervo fariam parte da mostra, fui em busca de artistas de fora da coleção. Convidamos pessoas de várias procedências: artistas que trazem em seu enunciado um recorte indígena, de questões de gênero, raça, questões sociais do contexto atual. Esses novos atores, ao entrar em contato com a coleção, a reativam, mantém a coleção viva e presente”, diz Alexandre. A mostra vai ser aberta ainda no Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA), no dia 6 de outubro como um recorte intitulado “Pulsões” sob curadoria de Mariano Klautau Filho, curador geral do projeto. Como propõe o título, a mostra do MUFPA enfatizará o tom inquieto do eixo central da edição propondo relações entre corpo e cidade com trabalhos de 7 artistas da Coleção DCF e 8 artistas convidados. 

“O Diário Contemporâneo não é um evento, é um projeto de maior durabilidade que produz para a cidade um acervo importante de fotografia contemporânea, em constante crescimento. Sua coleção é um bem público, pois pertence aos museus, está disponível à visitação e à pesquisa e por isso trata-se de um projeto político, que busca envolver a comunidade de artistas, pesquisadores, estudantes e professores de arte”, frisa o curador geral do Diário Contemporâneo de Fotografia. 

Virtual + educativo

A edição deste ano terá também um “tour virtual” das mostras, que disponibiliza as exposições no formato digital no site do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia,  além de encontros e debates virtuais com a equipe de curadores e artistas. E nos museus, uma equipe interdisciplinar de mediadores receberá o público para visitas guiadas como o programa de ação educativa, para possibilitar aos visitantes novas experiências estéticas, novos olhares sobre as obras, sobre arte.

O DCF é uma realização do jornal Diário do Pará e RBA com patrocínio da Alubar, Assembleia Legislativa do Pará (Alepa), Sebrae-PA, apoio institucional do Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult) e Sistema Integrado de Museus e Memoriais (SIMM), Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA), e colaboração da Sol Informática.  

 

“O Diabo no Copo”, de Jorane Castro, 1988. Coleção DCF – Acervo Museu da UFPA.

 

Serviço

Mostra “Desejos pessoais, pulsões coletivas – Quando as imagens tomam posição”
Museu Casa das 11 Janelas – R. Siqueira Mendes, s/n – Cidade Velha
Visitação até 14/11/2021
de terça-feira a domingo, das 9h às 17h
Entrada gratuita às terças-feiras e aos domingos 1kg de alimento não perecível por 4 ingressos. Demais dias: R$ 4, com gratuidade a estudantes, professores, pessoas portadoras de deficiência e crianças até 12 anos

Mostra “Pulsões – Diálogos com a coleção DCF”
Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA) – Av. Gov. José Malcher, 1192 – Nazaré (entrada pela Av. Generalíssimo Deodoro)
Visitação até 28/11/2021
de terça à sexta-feira, das 9h às 17h – finais de semana e feriados, das 9h às 13h
Entrada gratuita

 

Diário Contemporâneo encerra 11ª edição

Share This:

Foi em um ano marcado pelo inesperado que o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia realizou a sua 11ª edição. Inauguradas em outubro, as mostras Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos, com curadoria convidada de Rosely Nakagawa, e O Lago do Esquecimento, individual de Paula Sampaio, com curadoria de Mariano Klautau Filho, encerram as suas visitações às 14h deste domingo (20), no Museu do Estado do Pará.

Reinvenção e adaptação fizeram parte da dinâmica do projeto, assim como da vida de todos. “Conseguimos realizar o Prêmio com toda a infraestrutura que ele merece e sempre teve apesar de todas as dificuldades, o que já é uma grande vitória. Infelizmente fomos impedidos pela pandemia de realizar plenamente o trabalho de visitação das escolas, que é um dos pontos mais importantes do projeto, no qual nossa ação educativa tem feito um belo trabalho com os monitores em diálogo com os artistas para a preparação do trabalho no espaço expositivo. Quem teve a oportunidade de visitar presencialmente a exposição pôde ver o empenho e o envolvimento de nossos educadores. Os debates online e o tour virtual foram adaptações fundamentais frente à pandemia”, observou o curador do projeto, Mariano Klautau Filho.

Público observa a mostra montada no MEP com curadoria convidada de Rosely Nakagawa. Foto: Irene Almeida

As edições do Diário Contemporâneo são estruturadas com antecedência e ocorrem no primeiro semestre do ano. Com a pandemia, foi necessário um novo olhar para que ele pudesse persistir e ser realizado. “Os constantes adiamentos do cronograma do projeto nos causaram transtornos sim, mas foi necessário para que decidíssemos o momento certo de realizá-lo no contexto delicado da pandemia. A persistência é um índice de que o Diário Contemporâneo se consolida como um projeto importante de artes na pauta da cidade e do circuito nacional”, destacou.

Sobre isso, a artista convidada desta edição, Paula Sampaio, também tem um olhar atento que ressalta a importância da arte na vida das pessoas. “É interessante vivenciar uma crise, né? Um jogo de recuos e avanços, isso gera potências. Então, penso que a equipe do Prêmio, os realizadores e patrocinadores, ao assumirem o desafio que esse momento contém, demonstram uma inteligência sensível. A criação nos ajuda a manter o equilíbrio emocional, precisamos desse ‘abraço criativo’ agora, tenho certeza que está sendo muito bom para os artistas também. Num momento como esse, essa possibilidade de partilha é como voltar à tona e respirar depois de um longo mergulho no escuro”, disse.

Paula Sampaio, artista convidada desta edição, com sua publicação que saiu encartada no Jornal Diário do Pará. Foto: Irene Almeida

Medidas de segurança e saúde, mostra virtual, conversas e encontros realizados de forma online. Tudo isso nesta 11ª edição que representou o início de um novo ciclo do projeto, após uma década de atividades. Agora, o que levar de todo esse momento? “Mais importante ainda é que, apesar de tudo, iniciamos duas experiências fundamentais para a continuidade do projeto: o comitê que elaborou o programa de discussões, os convidados e as discussões que foram trazidas para dentro do debate curatorial do projeto e; também, a curadoria convidada que inauguramos a partir desta edição com outras abordagens que dinamizam a experiência conceitual do projeto. O que a gente vai levar é a continuidade das participações de outros curadores e a reflexão que nossos convidados nos debates trouxeram para processos de mudança necessários ao desenvolvimento do projeto iniciado neste 2020 tão conturbado”, finalizou Mariano.

360º da fotoinstalação de Suely Nascimento na Mostra Virtual. Foto: Divulgação.

EXPOSIÇÃO VIRTUAL

Fisicamente as exposições encerram a visitação hoje, mas a Mostra Virtual permanecerá acessível no site do projeto para todos que desejarem fazer um passeio sem sair de casa. Basta acessa o link: http://www.diariocontemporaneo.com.br/tour-virtual/

SERVIÇO: Diário Contemporâneo encerra 11ª edição. Data: 20 de dezembro de 2020. Horário: 09 às 14h. Local: Museu do Estado do Pará. Endereço: Praça Dom Pedro II, s/n – Cidade Velha. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará com apoio institucional do Museu do Estado do Pará, do Sistema Integrado de Museus, SECULT e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática, patrocínio da ALUBAR e patrocínio master da VALE. Informações: (91) 98367-2400,  diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

11º Diário Contemporâneo apresenta mostra virtual

Share This:

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia trouxe mais uma novidade ao público: a mostra virtual da sua 11ª edição. Ela é completa e inclui as obras das mostras “Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos”, com curadoria convidada de Rosely Nakagawa, e “O Lago do Esquecimento”, com curadoria de Mariano Klautau Filho, montadas no Museu do Estado do Pará. Para conferir, basta acessar o site do projeto e visitar o museu sem sair de casa. O endereço é http://www.diariocontemporaneo.com.br/tour-virtual/

Diante do atual contexto, a visitação do projeto se dá por agendamentos, mas ainda assim foi sentida a necessidade do tour virtual. Esta é uma forma de levar ao público de qualquer lugar do Brasil e do mundo o que é esta 11ª edição.

Detalhe da exposição no Museu do Estado do Pará. Foto: Debb Cabral

“Iniciamos o que eu chamo de a ‘segunda década do projeto’, onde estamos experimentando algumas novidades para que nós tenhamos um fôlego mais interessante”, disse o curador do projeto Mariano Klautau Filho.

Em 2020, o Diário Contemporâneo incorporou as ferramentas digitais com mais intensidade em seu processo. Inscrições, seleção dos trabalhos, curadoria convidada, minicurso de formação dos mediadores, encontros com os artistas. Tudo foi e está sendo feito de forma virtual.

“Foram muitas reuniões, planejamentos e eu acredito que a cultura paraense e a arte da fotografia mereciam este esforço todo. Assim, foi algo totalmente novo e pela primeira vez nós estamos inaugurando a visitação virtual. Nós vamos permitir que as pessoas, de onde quer que elas estejam, acompanhem tudo o que foi montado aqui. Isso é maravilhoso e é um legado que este momento vai nos deixar”, acrescentou Camilo Centeno, diretor geral do Grupo RBA.

A mostra Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos exibe os trabalhos de Alline Nakamura (SP), Andreev Veiga (PA), Arthur Seabra (PA), Beto Skeff (CE), Cecília Urioste (PE), Élcio Miazaki (SP), Fernando Jorge (CE), Hans Georg (RJ), Henrique Montagne (PA), Iezu Kaeru (PE), José Diniz (RJ), Karina Motoda (SP), Lara Ovídio (RJ), Melvin Quaresma (PA), Miriam Chiara (MG), Tetsuya Maruyama (RJ), Vanessa Ramos Carvalho (BA) e Sérgio Carvalho (PI) e Zé Barretta (SP).

Anna Ortega (RS), premiada com a Residência Artística Belém, e Suely Nascimento (PA), premiada com a Residência Artística Recife, também participam da mostra.

MOSTRA CONVIDADA

A fotógrafa Paula Sampaio é a artista convidada desta edição. Seu trabalho tem forte cunho documental e se debruça sobre temas como ocupação, memória, migração e colonização na região amazônica.

Seu livro O Lago do Esquecimento é fruto da pesquisa sobre o impacto do represamento das águas do rio Tocantins para a hidrelétrica de Tucuruí.

O projeto nunca havia sido apresentado no formato de exposição individual e este foi o recorte escolhido por Mariano Klautau Filho na curadoria desta mostra.

SERVIÇO: 11º Diário Contemporâneo inaugura mostra virtual. Acesse o site: http://www.diariocontemporaneo.com.br/tour-virtual/ e visite. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará com apoio institucional do Museu do Estado do Pará, do Sistema Integrado de Museus, SECULT e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática, patrocínio da Alubar e patrocínio master da VALE. Informações: (91) 98367-2400 e diariocontemporaneodfotografia@gmail.com.

Encarte de Paula Sampaio está disponível para download

Share This:

 

Em torno das trilhas quase ocultas das cartografias tradicionais repousam latentes as micro histórias que perfazem o trajeto de “Antônios e Cândidas têm Sonhos de Sorte”, longo processo de documentação empreendido pela fotógrafa Paula Sampaio, artista convidada deste ano.

O impresso, editado para a 11a edição do Diário Contemporâneo, conta com um resumo das histórias e imagens do projeto “Antônios e Cândidas têm Sonhos de Sorte”, de onde nasceu o documentário O Lago do Esquecimento, apresentado na mostra homônima no Museu do Estado do Pará.

O material está disponível para download gratuito AQUI